Pesquisadoras da FACIT entregam Caixa Educativa sobre atendimento de pacientes autistas à Clínica Escola

O projeto é resultado do Trabalho de Conclusão de Curso de duas estudantes de Odontologia

Sob a orientação da professora Eliana Andrade e co-orientação da professora Amanda Mortoza, duas acadêmicas do curso de Graduação em Odontologia da Faculdade de Ciências do Tocantins – FACIT-TO entregam, nesta quinta-feira, 24, às 15 horas, no campus II da instituição (TO-222), uma Caixa Educativa aos profissionais dentistas da Clínica Escola. A proposta é fruto de um Trabalho de Conclusão de Curso das alunas Eduarda de Brito e Gilmara Ribeiro e tem o objetivo de auxiliar o tratamento odontológico de pacientes autistas.

A caixa foi criada com base no método de Análise do Comportamento Aplicada – ABA e no Sistema de Comunicação por Troca de Imagens – PECS, métodos já utilizados na comunicação com o autista e agora propostos pelas pesquisadoras ao atendimento odontológico.

“Dentro dela há brinquedos feitos com feltro, que é tipo uma almofadinha, para imitar um tipo de procedimento realizado pelo dentista. Há, por exemplo, um espelho, uma pinça, uma escova de dente, figuras do dentista e uma boquinha cheia de ‘bichinhos’ que precisa de tratamento”, detalha a professora.

Eliana destaca ainda que as manchinhas da boca são retiráveis para ilustrar sobre a higiene correta e os benefícios proporcionados pelos cuidados com a saúde bucal, quando seguidos à risca.

Com os elementos lúdicos, as pesquisadoras esperam auxiliar os profissionais dentistas a atender e conduzir um tratamento odontológico de um paciente autista com mais efetividade.

“Para o paciente autista é importante trabalhar com o lúdico para a aprendizagem dele. Como queremos que se crie o hábito de saúde bucal, é interessante utilizar esse método”, acredita a professora Eliana.

Pesquisa

Após a doação da Caixa à Clínica Escola, as pesquisadoras levarão pacientes autistas para serem atendidos, conforme o método proposto. A intenção é saber se realmente funciona, já que a literatura aponta poucos estudos neste aspecto.

“Quase não há estudos que falem sobre o método ABA no condicionamento, por isso nos interessamos em estudar esse método dentro de um consultório odontológico. Na escola, teremos a oportunidade de testar”, ressalta Eliana.

Compartilhe esta postagem »»

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email
WhatsApp
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support

Eu concordo em receber outras comunicações da FACIT. Para fornecer o conteúdo solicitado, precisamos armazenar e processar seus dados pessoais. Se você consentir com o armazenamento dos seus dados pessoais para essa finalidade. Eu concordo em permitir que a FACIT armazene e processe meus dados pessoais. Nossas práticas de privacidade e nosso compromisso em proteger e respeitar suas informações, estão em consonância com a LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados. Política de Privacidade.