EXPOSIÇÃO DE TRABALHOS EM SIMPÓSIO DE DIREITO DA FACIT CHAMA A ATENÇÃO COM TEMAS DIVERSOS

A produção científica tem se tornado cada vez mais uma marca da Faculdade de Ciências do Tocantins FACIT-TO. Durante o primeiro Simpósio de Direito que acontece essa semana, os trabalhos e artigos desenvolvidos pelos acadêmicos do primeiro período matutino e noturno chamaram a atenção com temas relevantes e qualidade na produção.

A aluna Lisa Victória Oliveira fez uma abordagem em um tema que cada vez mais faz parte da realidade de muitas cidades brasileiras: moradores de rua. “Eu pretendo seguir com um projeto de pesquisa científica. Fizemos esse trabalho para o simpósio com base na pesquisa realizada pela nossa professora no mestrado onde ela faz uma abordagem minuciosa sobre a situação dos moradores de rua que  estão privados dos seus direitos. É um tema que fiquei muito impressionada e vou seguir estudando”, disse a acadêmica.

Os trabalhos também se destacaram pelas diferentes abordagens em outro tema relevante: a violência contra a mulher. Um dos trabalhos apresentou ao público presente no Simpósio o Ciclo de Violência Doméstica: identificando um relacionamento abusivo. O ciclo é utilizado para identificar se uma mulher está sendo violentada em ambiente doméstico onde o companheiro é o agressor, na maioria dos casos.

O ciclo da violência é definido por três fases. A primeira é o chamado momento de tensão onde começam os xingamentos, as críticas e outras formas de agressão. O segundo momento é o ataque violento onde a vítima sofre agressões como socos, tapas, empurrões e até mesmo a violência sexual. A fase três é considerada recorrente e se torna uma armadilha onde a maioria das vítimas acaba sendo envolvida. É a chamada fase da “lua de mel” com pedidos de desculpas, promessas não cumpridas e agressões que voltam a fazer parte do cotidiano de muitas brasileiras.

A acadêmica Clênia Rosa Rodrigues foi responsável por apresentar no Simpósio outro assunto destaque. A Convenção Internacional Sobre eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher 1979. “Através deste trabalho, percebemos o quanto a mulher ainda sofre com seus direitos básicos sendo privados. A convenção de 79 foi um importante passo para mudar essa realidade. O nosso papel é fundamental na proteção desses direitos”, disse a acadêmica da FACIT.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO FACIT-TO. 

FALE COM A ASCOM ascom@faculdadefacit.edu.br 

Compartilhe esta postagem »»

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email
WhatsApp
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support

Eu concordo em receber outras comunicações da FACIT. Para fornecer o conteúdo solicitado, precisamos armazenar e processar seus dados pessoais. Se você consentir com o armazenamento dos seus dados pessoais para essa finalidade. Eu concordo em permitir que a FACIT armazene e processe meus dados pessoais. Nossas práticas de privacidade e nosso compromisso em proteger e respeitar suas informações, estão em consonância com a LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados. Política de Privacidade.