Empreendedorismo e inovação foram o foco do III Seminário Jurídico da FACIT

12 de novembro de 2021

Durante 3 dias, os alunos do curso tiveram contato com profissionais dessa e de outras áreas para expandir os horizontes profissionais  

O curso de Direito da Faculdade de Ciências do Tocantins – FACIT-TO mobilizou seus alunos e profissionais convidados para mostrar o quanto a atuação no segmento pode ser diversificada. Por isso, o III Seminário Jurídico trouxe as diretrizes do Direito, Empreendedorismo e Inovação com temáticas principais.

O coordenador do curso, Maicon Rodrigo Tauchert, explicou que o seminário levou para os alunos aquilo que é uma das vertentes essenciais do curso, o empreendedorismo e inovação aplicado no direito.

“Tenho a tranquilidade de dizer que estamos formando grandes profissionais. Queremos dar aos acadêmicos uma visão mais abrangente das áreas de atuação no Direito, motivando-os a sair da zona de conforto e buscar novos desafios na profissão”.

A diretora da FACIT-TO, Angela Maria Silva, abriu o simpósio destacando a importância de oferecer um ensino que mostra aos acadêmicos que o Direito é muito mais do que advogar, que existe um mundo inteiro de possibilidades.

“Todos os nossos cursos são baseado na metodologia da prática desde o primeiro período acadêmico, justamente para que o aluno expanda seus horizontes profissionais e amadureça sua decisão conforme vai tendo contato com todas as especificidades do curso”

Primeira noite 

A primeira palestra a abrir o seminário foi do Tenente Coronel Agrisson dos Santos, com o “Polícia Militar e Gestão da Corporação”. O militar falou com detalhes sobre a rotina de um policial.

“O acadêmico precisa ter uma luz para seguir e continuar focado no curso, por isso quis despertar neles a vontade de ingressar na advocacia empregada na área militar”, destaca Agrisson.

Finalizando a primeira noite, a juíza de Direito do Estado do Tocantins, Dra. Cirlene de Assis, falou sobre a “Violência de gênero e o papel do poder judiciário na construção da pacificação social”.

“Nós precisamos tirar da nossa mentalidade e costumes aquele velho jargão de que em briga de marido e mulher não se mete a colher. Os alunos perguntaram bastante e todo esse interesse pelo que compartilhei me deixou bem feliz”, comenta Cirlene.

Segunda noite

A diretora financeira da FACIT-TO, Dra. Carollyne Mota, falou sobre “Empreendedorismo para transformação”.

“Meu objetivo foi colocar uma pulguinha atrás da orelha dos alunos para que eles comecem a pensar fora da caixa, para que sintam vontade de serem profissionais diferenciados”, enfatizou.

A coordenadora de Inovação da FACIT, Rafaella Kalil, palestrou sobre “Inovação e disrupção em Law Tech’s”. A intenção foi despertar nos acadêmicos a vontade de criar negócios inovadores, startups que resolvam as dores da área jurídica do Brasil.

“Quis incentivar neles não só o desejo por empreender e inovar, mas também a conhecer todas as novidades nos mecanismos legais regulamentados no Brasil nas últimas décadas, principalmente a lei das startups, que foi a grande revolução para o nosso cenário nacional”, finalizou.

Última noite 

Fechando o ciclo de palestras e último dia de seminário, o advogado, contador e diretor administrativo da rede Campelo de supermercados, Elionai Rodrigues, falou sobre “Empreendedorismo, gestão e inovação no direito”.

Elionai comentou que empreender é uma decisão que precisa ser muito bem pensada, os futuros empresários acabam sendo prejudicados por não terem na grade curricular do ensino fundamental e médio matérias que falem sobre empreendedorismo.

“Eu vejo que vários erros são cometidos na instituição do negócio, mas o Direito tem uma diferença, nós trabalhamos com a paixão, honra, sinceridade, lealdade com o cliente, esse relacionamento que a gente tem com o cliente é muito importante”, frisou o administrador.

Questão de aprendizado

“A cada dia que passa, a gente vai aprendendo mais na FACIT e me chama bastante atenção essa oportunidade de ser orientado em questões como empreendedorismo e no aprofundamento das leis, como no caso da Lei Maria da Penha”, comenta o acadêmico do sexto período, Adilson Pereira.

Guilherme Fernandes também está no sexto período do curso e adorou as inovações que tem presenciado enquanto estuda na FACIT.

“Os alunos acabam saindo daquele tradicionalismo e começam a ver com mais importância o futuro na área do Direito. A sociedade está mudando todos os dias e a gente precisa, ainda na academia, aprender mais para poder mudar o Direito”, destaca.

Larissa Gomes, acadêmica do segundo período, disse que amou as palestras.

“A palestra da Dra. Carollyne chamou bastante atenção. Foi ótimo, eu amei a palestra dela, porque a maneira como ela fala, como relatou a própria vida e pelo que passou até chegar aonde chegou, me tocou bastante”, finalizou.

Saldo do evento

O coordenador do curso considera que o seminário foi um sucesso. 

“Tivemos coronel, juíza, empresários, advogados, empreendedores, as falas de todos contribuíram muito para a formação dos nossos alunos e a pegada do evento era bem essa, de empreendedorismo e inovação, o qual vem ao encontro da característica do profissional que nós formamos na faculdade”, finalizou Maicon. 

Compartilhar