Sobre o curso

Nos ciclos básicos e profissionalizantes, o curso de Odontologia da FACIT-TO está centrado na formação dos futuros dentistas, valorizando as especialidades da área e também focando a formação em Biologia Oral, Odontologia Hospitalar e Saúde Pública. 

Além dos Estágios Supervisionados e atividades complementares, a aproximação com a área médica será completada com a clínica integrada. 
Poderá ser oferecido pela instituição um programa de Pós-Graduação Lato Sensu nos moldes de residência médica que servirá de suporte para a graduação (a residência odontológica está sendo regulamentada pelo MEC).
Como ocorrem com os demais cursos da instituição, as atividades científicas dos alunos são efetivadas como forma de iniciação à pesquisa.

Tanto os conteúdos curriculares quanto os objetivos correspondem às competências e habilidades que orientarão o projeto. 

Os componentes curriculares foram elaborados observando a correspondência com objetivos propostos. 

Primou-se pela inovação, saindo um pouco do tradicional. No ensino, as certezas são raras no mundo científico. O que é considerado velho, torna-se novo e depois a situação se reverte, o novo se torna velho. Entretanto, o equilíbrio entre o tradicional e o novo é de bom termo, contribuindo assim para o essencial. 

É nessa visão que o curso de Graduação em Odontologia foi concebido. 
A formação dos acadêmicos também leva em conta o componente humano e social, engajando os estudantes em ações práticas de contato direto com a comunidade, tanto com a função de cumprimento de disciplinas, quanto para ações voluntárias de apoio.

A metodologia de ensino PBL é o grande expoente do curso, trazendo a teoria de sala de aula para casos clínicos, sendo a prática profissional, com viés acadêmico, a ferramenta principal de aprendizagem. 

Um dos destaques do curso é a Jornada Odontológica do Norte do Tocantins – JONT, em sua sétima edição, um evento acadêmico e técnico organizado pelos próprios alunos, com forte apoio dos professores. Palestrantes de renome nacional e internacional já participaram do evento, aberto para estudantes e profissionais da área.

MISSÃO 

Formar, qualificar e especializar o acadêmico para ser promotor de saúde. Cirurgião- Dentista generalista, crítico, reflexivo, criativo, competente, responsável e capaz de atuar na transformação da sociedade, acompanhando a velocidade da ciência e tecnologia, primando pelos princípios éticos e morais e buscando sempre tratar o ser humano de forma holística, apoiando na pesquisa e na extensão. 

Duração

5 Anos

Conceito MEC

4

Turno

Diurno e Noturno

Investimento mensal

2.737,00
Quero me inscrever

Corpo Docente

Profª. Glenda Lara Lopes Vasconcelos

http://buscatextual.cnpq.br/Glenda 

Prof. Adolfo da Silva Melo

http://buscatextual.cnpq.br/Adolfo

Profª. Ana Lúcia Roselino Ribeiro

http://buscatextual.cnpq.br/Ana Lucia 

Prof. Anderson de Oliveira Paulo

http://buscatextual.cnpq.br/Anderson

Profª. Ângela Maria Dias Morais

http://buscatextual.cnpq.br/Ângela 

Profª. Angélica Feltrin dos Santos

Falta Currículo

Prof. Caio Rodrigo Pacheco Lopes

http://buscatextual.cnpq.br/Caio 

Profª. Cristiane Nogueira Rodrigues Milhomem

http://buscatextual.cnpq.br/Cristiane

Profª. Eliana dos Santos Andrade

Falta currículo

Profª. Elizabete Bagordakis Pinto

http://buscatextual.cnpq.br/Elizabete

Prof. Eugênio José Piva

http://buscatextual.cnpq.br/Eugênio

Profª. Jane Guimarães Sousa

http://buscatextual.cnpq.br/Jane

Prof. José Ferreira de Menezes Filho

http://buscatextual.cnpq.br/José 

Profª. Kássia Rubia de Freitas Borges

http://buscatextual.cnpq.br/Kássia

Prof. Leandro Silva da Conceição

http://buscatextual.cnpq.br/Leandro

Profª. Lídia Maria Lourenço Costa Barbetta

http://buscatextual.cnpq.br/Lídia

Profª. Dra. Lídia Regina da Costa Hidalgo

http://buscatextual.cnpq.br/LídiaRegina

Profª. Lizandra Coimbra da Silva Felipe

http://buscatextual.cnpq.br/Lizandra

Prof. Lucas Moura dos Santos Moreira

http://buscatextual.cnpq.br/Lucas

Prof. Marcelo Rodrigues Moreira

Falta currículo

Prof. Mário de Souza Lima e Silva

http://buscatextual.cnpq.br/Mário

Profª. Marcela Moreira Salles

http://buscatextual.cnpq.br/Marcela

Profa. Myrella Lessio Castro

http://buscatextual.cnpq.br/Myrella

Profª. Rosemeire Rezende Honda

http://buscatextual.cnpq.br/Rosimeire

Profª. Severina Alves de Almeida

http://buscatextual.cnpq.br/Severina

Profª. Tatiana Ramirez Cunha

http://buscatextual.cnpq.br/Tatiane

Profª. Viviane da Silva Siqueira

http://buscatextual.cnpq.br/Viviane

Áreas de Atuação

Cirurgia e Traumatologia Buco maxilo faciais

Clínica geral

Dentística

Disfunção Temporomandibular

Dor Orofacial Endodontia

Estomatologia Imaginologia

Implantodontia

Odontogeriatria

Odontologia Legal

Odontologia do Trabalho

Odontologia para pacientes com necessidades especiais

Odontopediatria

Ortodontia

Ortopedia funcional dos maxilares

Patologia bucal

Periodontia

Prótese Bucomaxilofacial

Prótese dentária

Saúde coletiva

E outras

Excelência e qualidade do ensino são os compromissos da FACIT ao ministrar o curso de Odontologia.

Atividades Complementares

As atividades complementares deverão ser incentivadas como estratégias didáticas para garantir a interação teoria-prática, devendo a Faculdade, conforme as Diretrizes Curriculares, criar mecanismos de aproveitamento de conhecimentos, adquiridos pelo aluno, através de estudos e práticas independentes.

Atividades de formação complementar definidas como atividades acadêmico-científico-culturais, propõem desenvolver nos alunos competências e habilidades diversas e oportunizar experiências diferenciadas, onde cada um poderá definir objetivos e traçar metas em sua própria formação acadêmica.

Estas atividades contribuem na integralização do curso, com um mínimo de 108 horas, referendadas pela legislação vigente. Resolução CNE/CES 3 de 19 de fevereiro de 2002 que institui Diretrizes Curriculares para o Curso de Odontologia.

O projeto pedagógico no artigo 8º desta resolução diz “O Projeto Pedagógico do curso de Odontologia deverá contemplar atividades complementares e as Instituições de Ensino Superior deverão criar mecanismos de aproveitamento de conhecimentos adquiridos pelo estudante através de estudos, práticas independentes presenciais e/ou a distância a saber: monitorias e estágios, programas de iniciação científica, programas de extensão, estudos complementares e cursos realizados em áreas afins”.

Disciplinas Optativas

  • Empreendedorismo
  • Fundamentos de enfermagem e primeiros socorros
  • Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS)
  • Laser e Odontologia

Será obrigatório ao estudante regularmente matriculado no Curso de Bacharelado em Odontologia da FACIT cursar uma disciplina optativa (36h) até o último período do curso, condicionando-se a matrícula à(s) disciplina(s) ofertada(s) pela IES no semestre corrente.

De acordo com sua vocação, o aluno poderá cursar mais de uma disciplina optativa.

Egressos

I TURMA DE ODONTOLOGIA DA FACIT

2013.2 – 2017.2

 
Adriana Almeida Carvalho
Aline Damacena Alves
Anna Karolliny Leão Alves Araújo
Bianca Rodrigues da Silva
Brenda Marinho Melo
Christina Pereira da Silva
Cinthya Alencar Cavalcante
Daniely Nogueira Jardim
Dayane Gomes Milhomem
Erika Abia Vieira Costa
Erna Garcia Fröhlich
Evair Gomes de Oliveira
Evaldo Bezerra de Oliveira
Fernanda Alice Ribeiro da Silva
Fernanda Rezende Palmeira
Filipe de Sousa Carvalho Santos
Gabriel Reis Lima
Gabriela Batista Nogueira Dos Santos
Herminya Ribeiro Silva Santos
Karyna Emilia Fernandes Coêlho
Kayll Alexandre Cordeiro Silva
Michelle Costa Teixeira Campos
Patricia Lopes Paz Cirqueira
Priscila Dias Pires
Ricardo Pereira de Andrade Júnior
Rodrigo Morais Rodrigues
Samira Gonçalves Leal
Sarah Gisele De Vasconcelos Leite
Thays De Lima Mercedes
Thiago Da Luz Pereira Venâncio
Vanessa Sousa Soares
Yan Matthews Jorge Ferreira Silva

Estágio Curricular Supervisionado

De acordo com as Diretrizes Curriculares, o Estagio Supervisionado do Curso deverá atingir 20% da carga horária total do curso de graduação em Odontologia.

É disciplina obrigatória e objetiva complementar a integralização matriz curricular e só pode ser cursada por alunos que não apresentem pendências. Permite ao aluno vivenciar experiências práticas nos diversos setores do sistema de saúde. Esta atividade será desenvolvida pelas disciplinas: Clínica Integrada I, Clínica Integrada II e Estágio Extra-Muro.

O aluno estagiário será avaliado pela equipe docente observando além dos critérios estabelecidos na legislação, os seguintes:

  • Pontualidade
  • Organização
  • Biossegurança
  • Planejamento e desenvolvimento dos Trabalhos no ambulatório.

  Os estágios supervisionados dão ao aluno oportunidade de adquirir experiências de aprendizado e prática profissional nas áreas que mantém estreita relação com o curso. Estas atividades deverão ser supervisionadas e controladas por um docente e por profissionais afins. Mensalmente o estagiário elaborará relatórios que deverão ser entregues na coordenação de estágio juntamente com as freqüências, afim de integralização da parte flexível, estas atividades serão computadas obedecendo regularmente a uma pontuação regulamentada pelo colegiado de curso.

Estes estágios poderão ser desenvolvidos dentro ou fora da Universidade, em entidades públicas ou privadas conveniadas com provas documentais com a pró-reitoria de graduação, através do setor de estágio.

São atividades importantes, pois colocam o aluno em contato direto com a sociedade e com o trabalho das equipes multidisciplinares e multiprofissionais conscientizando – o da realidade dos compus de práticas de saúde, criando expectativas de seu papel na realidade social e no sistema de saúde.

Estrutura Física e Acadêmica de Funcionamento

O Complexo Arquitetônico do Campus I da FACULDADE DE CIÊNCIAS DO TOCANTINS LTDA – FACIT está localizado na rua  D quadra 11, lote 10, Nº 25 Loteamento George Yunes. Trata-se de um setor com traçado urbanístico moderno, com amplas avenidas e ruas totalmente pavimentadas e com meio fio, com paisagismo e de fácil acesso, servida de água, energia elétrica e iluminação pública.

 A FACIT também é proprietária da área de 150.000 mno endereço Lote 02 Glebas 03 na Rodovia TO 222 – Gleba Haras Juliana – Bairro da Grota, Lote 2ª, CEP. 77.8000-000 – Araguaína – TO, no qual localiza-se o Campus II, com 5600 m2  de área construída e até o ano de 2019 pretende-se ter 16.000 m2 construídos.

Informações Acadêmicas

Norma – Láurea Acadêmica CBO, Clique Aqui 

Metodologia

Metodologia PBL

O compromisso da Faculdade de Ciências do Tocantins – FACIT é com um ensino de excelência avançada. Por isso, a instituição adota a Metodologia PBL (Problem-Based Learning). Com esta forma de ensino, o aprendizado é baseado em problemas.

O que é a Metodologia PBL?

Para os nossos alunos e pais que estão antenados, o PBL é um método no qual destaca o uso de um contexto clínico ou de um problema relativo ao estudo. A partir deste problema, se levanta questões e possibilidades e este aluno é estimulado a procurar soluções. O aprendizado passa a ser centrado no aluno, que sai do papel de receptor passivo e se torna o agente responsável pelo seu aprendizado, promovendo a habilidade de trabalho em grupo. O PBL desperta as habilidades dos estudantes em fazer com atitude.

Como funciona o PBL? E o professor?

A metodologia do PBL enfatiza o aprendizado auto-dirigido. Os professores atuam como tutores, facilitando nos grupos a discussão e organizando os objetivos a serem alcançados.

O melhor do PBL é despertar no aluno que ele é o centro do conhecimento e isto não tem limite. Os alunos do PBL se agrupam em até 12 estudantes. Aqui na FACIT, inicialmente, as tutorias irão ocorrer todas as sextas-feiras. O professor não “ensina” da maneira tradicional, mas introduz a discussão, indicando os recursos.

No segundo momento, o estudo individual, sequentemente a isto, tem as conferências com fechamento de todas as questões levantadas. Abre-se um problema, um estudo de caso clínico e fecha este de forma sustentável na próxima semana e assim, semanalmente com tutoria diferente.

Qual a diferença em estudar pelo método PBL e tradicional?

Podemos afirmar, pela prática docente, que o aprendizado ocorre em ambos os métodos. A porta de entrada do PBL é diferente. O aluno é o motivo do ensino, ele é o centro. É o método ideal para dar iniciativa do aluno estudar por conta própria. É o fazer fazendo. A pedagogia autoritária e postural do professor é substituída pela compreensão e no tratamento flexível, mesmo diante, por vezes, ambigüidade.

O que é sessão tutorial?

Uma sessão tutorial trabalha os conhecimentos prévios dos alunos sobre o assunto apresentado; os problemas são primeiramente identificados e listados, e em seguida são formulados os objetivos de aprendizado, com base em tópicos considerados úteis para resolução do problema. Seguidamente os alunos são liberados para estudo individual, trabalhar independentemente, na busca de informações e na próxima sessão tutorial, as informações trazidas são integradas na solução do caso-problema.

Quais as vantagens deste método?

Como diretora da instituição e educadora com formação, o que mais pesa nas vantagens do PBL é a profundidade no conhecimento adquirido. Os alunos desde o primeiro período terão o ensino precoce à prática clínica (Odontologia) e vivência. E a formação de cirurgiões-dentistas e administradores humanizados, motivados para auto aprendizagem, aquisição de trabalho e tomada de decisão. Este é o perfil que os alunos vão ter!

Professora Mestre, Dra. Ângela Maria da Silva,

Diretora-geral

Monitoria

No planejamento das atividades de ensino, pesquisa e extensão do curso de Odontologia da FACULDADE DE CIÊNCIAS DO TOCANTINS LTDA – FACIT, monitoria é uma modalidade de ensino e aprendizagem estabelecida de acordo com o princípio de vinculação exclusiva às necessidades de formação acadêmica do aluno de graduação e pós-graduação

O projeto de monitoria no Curso de Odontologia tem como objetivo propiciar a formação acadêmica ampla e aprofundada ao aluno, incentivar o interesse pela dedicação à docência e à pesquisa bem como ampliar a participação destes nas atividades da FACULDADE DE CIÊNCIAS DO TOCANTINS LTDA – FACIT.

Ha regulamento Próprio.

Objetivos do Curso

O Curso de Odontologia visa à formação do profissional objetivando dotá-lo de conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades conforme preconiza o art. 5º da Resolução do CNE/CES 3, de 19 de Fevereiro de 2002.

Art. 5º A formação do Cirurgião Dentista tem por objetivos dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades específicas:

I – respeitar os princípios éticos inerentes ao exercício profissional;

II – atuar em todos os níveis de atenção a saúde, integrando-se em programas de promoção, manutenção, prevenção, proteção e recuperação da saúde, sensibilizados e comprometidos com o ser humano, respeitando-o e valorizando-o;

III – atuar multiprofissionalmente, interdisciplinarmente e transdisciplinarmente com extrema produtividade na promoção da saúde baseado na convicção científica, de cidadania e de ética;

IV – reconhecer a saúde como direito e condições dignas de vida e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência, entendida como conjunto articulado e continuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema;

V- exercer sua profissão de forma articulada ao contexto social, entendendo-a como uma forma de participação e contribuição social;

VI- conhecer métodos e técnicas de investigação e elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos;

VII – desenvolver assistência odontológica individual e coletiva;

VIII- identificar em pacientes e em grupos populacionais as doenças e distúrbios buco-maxilo-faciais e realizar procedimentos adequados para suas investigações, prevenção, tratamento e controle;

IX – cumprir investigações básicas e procedimentos operatórios;

X – promover a saúde bucal e prevenir doenças e distúrbios bucais;

XI – comunicar e trabalhar efetivamente com pacientes, trabalhadores da área da saúde e outros indivíduos relevantes, grupos e organizações;

XII – obter e eficientemente gravar informações confiáveis e avaliá-las objetivamente;

XIII – aplicar conhecimentos e compreensão de outros aspectos de cuidados de saúde na busca de soluções mais adequadas para os problemas clínicos no interesse de ambos o indivíduo e a comunidade;

XIV – analisar e interpretar os resultados de relevantes pesquisas experimentais, epidemiológicas e clínicas;

XV – organizar, manusear e avaliar recursos de cuidados de saúde efetiva e eficientemente;

XVI- aplicar conhecimentos de saúde bucal, de doenças e tópicos relacionados no melhor interesse do indivíduo e da comunidade;

XVII – participar em educação continuada relativa a saúde bucal e doenças como um componente da obrigação profissional e manter espírito crítico, mas aberto a novas informações;

XVIII – participar de investigações científicas sobre doenças e saúde bucal e estar preparado para aplicar os resultados de pesquisas para os cuidados de saúde;

XIX – buscar melhorar a percepção e providenciar soluções para os problemas de saúde bucal e áreas relacionadas e necessidades globais da comunidade;

XX – manter reconhecido padrão de ética profissional e conduta, e aplicá-lo em todos os aspectos da vida profissional;

XXI – estar ciente das regras dos trabalhadores da área da saúde bucal na sociedade e ter responsabilidade pessoal para com tais regras;

XXII – reconhecer suas limitações e estar adaptado e flexível face às mudanças circunstanciais;

XXIII – colher, observar e interpretar dados para a construção do diagnóstico;

XXIV – identificar as afecções buco-maxilo-faciais prevalentes;

XXV – propor e executar planos de tratamento adequados;

XXVI – realizar a preservação da saúde bucal;

XXVII – comunicar-se com pacientes, com profissionais da saúde e com a comunidade em geral;

XXVIII- trabalhar em equipes interdisciplinares e atuar como agente de promoção de saúde;

XXIX – planejar e administrar serviços de saúde comunitária;

XXX – acompanhar e incorporar inovações tecnológicas (Informática, novos materiais, biotecnologia) no exercício da profissão.

Parágrafo único. A formação do Cirurgião Dentista deverá contemplar o sistema de saúde vigente no país, a atenção integral da saúde num sistema regionalizado e hierarquizado de referência e contra-referência e o trabalho em equipe.

Perfil do Egresso

Em consonância com as diretrizes curriculares que norteiam os cursos superiores, o futuro profissional de Odontologia deve ser humano, com formação clínica generalista técnico-científica e humanista, dotado de capacidade crítica e reflexiva, apto a atuar pautado nos princípios éticos e morais. Assim, o Curso de Bacharelado em Odontologia da FACIT tem como perfil o Cirurgião-Dentista com formação generalista, humanista, ética, crítica e reflexiva, para atuar em todos os níveis de atenção à saúde, com base no rigor técnico e científico. O Cirurgião Dentista, formado pela FACIT, estará capacitado ao exercício de atividades referentes à saúde bucal da população, pautado em princípios éticos, legais e na compreensão da realidade social, cultural e econômica do seu meio, dirigindo sua atuação para a transformação da realidade em benefício da sociedade, assim como na sua inserção profissional através da Saúde da Família e do Trabalhador.

O egresso do Curso de Bacharelado em Odontologia da FACIT será um profissional com conhecimentos científicos, capacitação técnica e habilidades para desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, tanto em nível individual quanto coletivo; participação no avanço da ciência e tecnologia; atuação em equipes multidisciplinares, em todos os níveis de atenção à saúde com visão e entendimento da Gestão Pública e Privada. Deverá ainda o acadêmico ter consciência de sua atuação no mercado do trabalho, fato plenamente desenvolvido e propiciado pela metodologia de aprendizado baseado em competência, atitudes e habilidades.

Contudo, ao definir o perfil do profissional desejado, respeita-se sua vocação e dedicação para a profissão escolhida através das competências e habilidades desenvolvidas durante o curso, ressaltando a formação permanente e continuada. Ademais, o egresso deve estar apto a enfrentar com segurança profissional as demandas da saúde pública e privada no que diz respeito às peculiaridades de Araguaína e adjacências, notadamente em relação à fragilidade epidemiológica própria dessa região do Brasil.

Setores de Apoio

Coordenadora: Profª. Glenda Lara Lopes Vasconcelos

São atribuições da Coordenação do Curso de Odontologia:

– Formular, coordenar e avaliar objetivos e estratégias educacionais do Curso:

  • responder pelo alcance do perfil profissional dos alunos integrantes do seu Curso;
  • coordenar, junto aos professores, e propor a atualização dos projetos de ensino;
  • acompanhar a organização e supervisão de estágios e planos de ensino;
  • avaliar e propor à Direção a adequação das instalações físicas e recursos audiovisuais ou eletrônicos à necessidade de ensino do Curso;
  • presidir as reuniões do colegiado do Curso enquanto um espaço coletivo de discussão e legitimação das propostas pedagógicas, científicas e administrativas a serem implementadas.

–    Estimular o desenvolvimento pedagógico, científico e técnico dos professores do Curso:

  • estimular a atualização didática e científica dos professores do Curso;
  • orientar os professores nas atividades acadêmicas;
  • estimular a formação de grupos e de pesquisa entre os professores do Curso;
  • manter intercâmbio científico e cultural com outras Instituições de Ensino Superior;
  • fomentar a qualificação do corpo docente do seu Curso, em nível de pós-graduação.

–    Orientar e acompanhar os alunos em sua formação acadêmica e profissional:

  • orientar os alunos do Curso por ocasião da matrícula;
  • estabelecer e comunicar aos alunos do Curso o horário de atendimento a eles durante o semestre;
  • introduzir os alunos recém-matriculados nos procedimentos administrativo-acadêmicos e nos objetivos e perfil profissional do Curso;
  • coordenar a seleção e supervisionar as atividades de monitoria;
  • apoiar atividades científico-culturais de interesse dos alunos.
  • Responder pelas atividades administrativas no âmbito do Curso:
  • Organizar e planejar o cadastramento docente semestral;
  • Propor à Direção de Centro seleção de professores, quando necessária;
  • coletar sugestões e elaborar o plano anual de metas do Curso;
  • supervisionar a frequência do corpo docente;
  • avaliar situações conflitantes entre professores e alunos;
  • Estabelecer estratégias de articulação docente, discente e funcionários.

Assessoria Pedagógica do Curso de Odontologia

Assessoria Pedagógica do Curso
Profa. Dra. Severina Alves de Almeida

  • Identificar as principais dificuldades dos professores relacionadas a problemas didático-pedagógicos;
  • Propor, a partir das dificuldades apontadas, atividades de capacitação para o corpo docente;
  • Compor equipes multidisciplinares de professores para discussão da integração dos conteúdos curriculares;
  • Acompanhar atividades de avaliação propostas pelas disciplinas;
  • Realizar a análise prévia à impressão das avaliações de todas as disciplinas;
  • Recomendar alterações nas avaliações que não estejam adequadas às metodologias ativas de aprendizagem aplicadas no Curso;
  • Identificar, em parceria com os docentes de cada semestre, alunos com problemas de aprendizagem;
  • Acompanhar, junto aos docentes, os alunos em regime especial, buscando a efetivação do Plano de Reposição de Atividades;

Supervisão de Clínicas

Direção Clínica
Profa. Dra. Myrella Lessio Castro

  • Coordenar e solucionar problemas nos diversos setores relacionados com o funcionamento das clínicas;
  • Participar da Comissão de Controle de Infecções do Curso de Odontologia;
  • Supervisionar os funcionários responsáveis pelos seguintes setores:

Recursos Humanos

  • Escala de funcionários;
  • Funcionamento da Central de Material e Esterilização (CME);
  • Supervisão do trabalho executado pelos funcionários;
  • Funcionamento das clínicas, laboratórios e equipamentos.

Administração:

  • Organização dos funcionários da limpeza;
  • Manutenção do espaço físico das clínicas e laboratórios;
  • Manutenção dos equipamentos das clínicas e laboratórios;
  • Controle do material de consumo e almoxarifado;
  • Sistema acadêmico;
  • Acompanhamento do sistema por alunos e professores;
  • Desenvolvimento de melhorias no sistema.

Triagem e Recepção:

  • Acompanhar as atividades dos funcionários do setor e sua articulação com as clínicas;

Assessoria de Pesquisa